Paris (3)

Em 1889, Zuloaga vivia em Paris. Partilhava um apartamento de Montmartre com o escultor e amigo Paco Durio e morria de fome. Mas as privações não o motivavam a gastar os (poucos) tostões que ganhava, humildes soldos que acautelava para poder comprar um El Greco. Acabou por conseguir o Apocalipse. Regressado a Espanha, guardou o quadro no estúdio da sua casa de Zumaya, situado no meio do jardim, a poucos metros do pavilhão principal. A erva e as árvores assombrosamente verdes do País Basco escondiam, como se de um templo se tratasse, as sombras fantasmagóricas do mestre de Toledo. El Greco es mi dios, dizia.

Paris, Novembro de 2011

apoc

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s