Arquivos Mensais: Abril 2014

A Montanha

«Prituri se planinata» quer dizer qualquer coisa como «a montanha desmoronou-se». É uma antiga canção búlgara e conta a história de dois pastores presos nos destroços da montanha. Desesperados, imploram pela vida. Um dos pastores diz «poupa-me, tenho mulher e … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Paris (8)

(Também n’O Insurgente) Alexander Rodchenko, pintor, fotógrafo, desenhador e activista da causa bolchevique, chegou a Paris no dia 23 de Março de 1925. Ficou três meses. Viajou para montar algumas das exposições e pavilhões preparados pela União Soviética para a … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Diários da Ericeira (13-04-2014)

A lenda catalã do marinheiro de Sant Pau conta a história de um embarcadiço que, com terra à vista, é colhido por um temporal súbito e violento. Agarrado a um remo, consegue chegar à costa, apenas para descobrir que, da … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

O Estrangeiro

“The Americans”, de Robert Frank, “Lolita”, de Nabokov e “Paris, Texas”, de Wim Wenders. Três obras de arte. Três retratos da América vista desde a estrada. Três incursões de três forasteiros em território desconhecido. Quando um estrangeiro faz um esboço … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Um Hotel em Arad

Arad, Roménia, 2004 Os blocos de notas guardam-se na prateleira e ficam entregues ao pó até que uma memória trôpega os resgata do esquecimento. As imagens, notas visuais, são mais atrevidas e, escudando-se num longo processo de arquivamento, resistem ao … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Paris (7)

Enrique Vila-Matas vivia em Paris com pouco dinheiro mas, quando tinha algum, fazia como Hemingway e comia ostras, com o seu sabor forte a mar e o seu toque metálico que o vinho fresco limpava, deixando apenas o sabor a … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Paris (6)

A noite chegou a Paris antes de nós. Silhuetas de prédios anónimos recortadas pela escuridão, o comboio, subúrbios, túneis e mais subúrbios. E a Gare du Nord ali estava, imutável, como há doze anos, quando já havia tempo, mas era … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário