Nova Iorque (3)

Conta a lenda que Dylan Thomas, dois dias antes de entrar em coma no Chelsea Hotel e ser levado para o hospital de St. Vicent, onde viria a morrer, estabeleceu no White Horse Tavern um recorde que ainda hoje continua imaculado nos livros da casa: dezoito uísques. Desde então, a taberna, na altura já com mais de setenta anos no lombo, conquistou definitivamente um lugar na História de Nova Iorque.

Tropecei por acaso no White Horse na última minha passagem por Nova Iorque. Dormia em West Village (o bar está na esquina da rua Hudson com a 11) e passei à porta quando dava um primeiro passeio logo após chegar do La Guardia. E tinha sede. Com a luz do dia e o calor de Junho a esplanada é um pouso privilegiado para a gente elegante do Village, mas lá dentro, no balcão, alinham-se todas as tardes os dignos sucessores dos estivadores do Hudson, a clientela pré-Thomas. De noite, entramos num quadro de Hopper, e juntamo-nos aos outros falcões que ali desembocam em busca de uns minutos de conversa com o companheiro que lhe calhar em sorte na lotaria da barra. Alguns sabem ao que vão: “so, what’s the story about this place?”. E o empregado faz uma pausa nas limpezas, atira o pano para cima do ombro, põe um pé em cima do lava-louça, e conta-lhes a história dos dezoito uísques de Dylan Thomas. E então, mesmo sabendo que a palestra não dura mais de dois minutos, temos uma desculpa para pedir outra Anchor Steam.

Carlos M. Fernandes

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s